Tag Archives: mestrado

Pós-graduação alavanca carreira e ajuda profissional a ganhar mais

Quem opta por fazer especialização, mestrado ou doutorado tem boas chances de aumentar sua remuneração. Rafael Souto, CEO da Produtive, explica como agregar valor em sua carreira por meio da especialização em publicação da Folha de São Paulo.

Pesquisas mostram que a remuneração de quem  fez uma pós-graduação lato (pós ou MBA) ou stricto sensu  (mestrado e doutorado) é maior que a de alguém  que tem só diploma universitário.

Há, também, diferenças entre níveis de pós-graduação. “Nossa última pesquisa mostrou que qualquer pós agrega valor, mas que, nos últimos anos,  houve valorização especial do mestrado e do doutorado”, diz Rafael Souto, presidente da Produtive, consultoria de carreiras.

O levantamento mais recente da consultoria apontou que, em 2015, a média salarial de um graduado foi R$ 6.096.  Quem fez uma pós (lato sensu) ganhava em média  R$ 10.620; e quem  tem mais de uma pós lato sensu, R$14.989.  Já um mestre ganhava em média  R$ 17.561.

A alta das especializações stricto sensu  passa pelo fato de as empresas terem começado a absorver esse tipo de profissional, antes associado à academia, afirma Souto.

“Antes era pouco relevante para uma organização contratar um executivo com doutorado. Hoje, com a hiperespecialização das carreiras, as empresas entendem que uma formação mais sólida pode ajudar”, afirma.

VEJA DICAS PARA ESCOLHER UMA PÓS

– Busque um curso que concilie  teoria e prática, apresentando situações comuns no mercado

– Pesquise escolas  em que haja possibilidade de intercâmbio, para conhecer outras formas de gestão

– Busque várias faculdades. Às vezes uma escola não tão conhecida pode ter excelência na área que você procura.

– Pesquise a trajetória de outras pessoas que já passaram pelo curso e veja se elas realmente cresceram na carreira

– Tente se conectar o máximo possível com os colegas; o networking é um dos pontos altos de qualquer pós ou MBA

– A pós deve ser um investimento também de tempo e pede dedicação; senão, se torna apenas algo a mais no currículo

– Veja a posição do curso e da instituição em rankings internacionais, uma garantia extra de qualidade.

 

4 passos para você escolher a pós-graduação certa

A diretora de operações da Produtive, Claudia Monari, fala sobre a escolha da especialização para o Guia de Pós-Graduação da Gazeta do Povo.

Da especialização ao mestrado profissional, as alternativas são imensas. Encontre o curso ideal para você

————-

Quando sai da faculdade, um enfermeiro logo nota que seu diploma não é suficiente para destaca-lo no mercado. Dados do Guia de Carreiras Catho mostram que 63% destes profissionais já possuem pós-graduação. É assim em qualquer área. E os que estudam mais chegam a ganhar mais.

Uma pesquisa da consultoria Produtive, realizada entre 2014 e 2015, revela que o ganho médio de quem tem uma especialização lato sensu é quase três vezes maior do que a remuneração daqueles com apenas o curso superior. Mas a quem quer começar o ano dando um “up” na carreira e escolher uma pós, a primeira dica é: faça uma pausa para ler sobre o assunto antes de dar o primeiro passo.

Pós-graduação não é tudo igual. Desde 1965, quando o Ministério da Educação regulamentou a modalidade no Brasil, as opções têm crescido muito, seguindo as transformações do mercado e as demandas dos profissionais. Um mestrado é ótimo, mas nem todo mundo quer seguir a área acadêmica. Por isso, existem as especializações comuns e os MBAs. Mas e se a pessoa quer atuar no mercado e pesquisar ao mesmo tempo – ser mestre e doutor futuramente? Para estes casos, existe o mestrado profissional. Viu? A gama de opções é grande. E aqui você encontra um guia prático que vai te ajudar a escolher o melhor caminho.

Abaixo, 4 passos para você escolher a pós-graduação certa:

1.ESPELHO, ESPELHO MEU

Como você se imagina daqui a alguns anos? Qual é o seu perfil? O que você quer? Por que quer o que quer? Escolher uma pós passa por responder estas questões e aprimorar o autoconhecimento. Mapeie suas competências, pontos fracos, predileções e projete uma trilha que caiba nesse conjunto. Depois, descubra o curso que combina contigo.

2.PREPARE O BOLSO E A AGENDA

Ir às aulas não basta para ter uma boa formação. Você vai precisar de tempo para aproveitar os encontros extracurriculares e produzir trabalhos acadêmicos. Pode ser que você precise fazer várias concessões na vida pessoal e no bolso, portanto, sua rotina, bem como sua vida financeira serão determinantes na escolha do curso. A trajetória pode ser difícil, mas não impossível. Bolsas, financiamentos estudantis e especializações à distância, por exemplo, são encontrados em boa parte das instituições do Paraná.

3.O BE-A-BÁ DA PÓS

Terminou a faculdade e já sabe o que quer? É hora de conferir as modalidades de pós e escolher.

Pós graduação lato sensu: corresponde às especializações comuns e aos MBAs.

Especialização X MBA

A especialização é uma pós que prepara o aluno para o mercado. Não está focada na área acadêmica. O MBA, abreviação de Master of Business Administration, é uma especialização voltada para os segmentos de negócios, marketing e gestão e com maior carga horária que os outros cursos da área.

A especialização comum pode durar de um ano a um ano e meio. O MBA precisa ter, no mínimo, 360 horas – o que dá aproximadamente 18 meses. No fim, o aluno recebe um certificado, mas não um diploma.

Por ser bastante denso, o MBA é indicado para quem já está formado há mais de dois anos e tem disponibilidade para se dedicar bastante.

O MBA é muito procurado não apenas por quem quer aprimorar seus conhecimentos, mas também por aqueles que buscam ampliar sua rede de contatos, trocar ideias e fazer networking.

Pós graduação stricto sensu: corresponde ao mestrado e ao doutorado. É voltada para quem quer seguir a área acadêmica – pesquisar, ser professor universitário. É bom lembrar que os mestrados e doutorados profissionais (modalidades novas no Brasil) também abrem espaço para o mercado de trabalho.

Para fazer doutorado, é preciso ter feito mestrado (com raras exceções). Na conclusão do mestrado, que, em geral, dura dois anos, o aluno deve apresentar uma dissertação sobre o tema no qual resolveu se aprofundar. Na conclusão do doutorado, que leva aproximadamente quatro anos, é preciso ter uma tese pronta. Nos dois casos, o aluno sai com diploma.

Mestrado e doutorado profissional

São modalidades stricto sensu, mas com uma perna no mercado. As aulas aliam uma perspectiva prática a uma abordagem teórica, preparando o aluno para atuar em sua área ao mesmo tempo em que o estudante produz material científico. O mestrado profissional foi regulamentado pelo MEC em 2009. O doutorado, no ano passado.

4.PESQUISE AO MÁXIMO

Gostou de uma especialização? Investigue a fundo o curso. Veja a grade curricular, converse com pessoas que já se formaram, mande e-mails para os professores e tire todas as suas dúvidas. Veja quem são os docentes e verifique a reputação da universidade: como o mercado recebe os profissionais que saíram daquela escola?

Cabe lembrar que em algumas pós-graduações, não há possibilidade de trancamento do curso. Se você desiste, sua matrícula é cancelada. Então, verifique isso antes de ingressar. E se quiser começar, tome fôlego e foque em não desistir.

Quem quer escolher um bom curso stricto sensu deve não apenas verificar a reputação da universidade, mas também a avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), agência do governo vinculada ao Ministério da Educação que gerencia as pesquisas científicas no pais. A nota vai de 3 a 7. Um mestrado nota 5 tem excelência nacional. As notas 6 e 7 são para pós de excelência internacional.

Fontes: Claudia Monari (diretora de operações da Produtive).Portal da Fundação Capes, Erika Lotz (coach e professora da Estácio Curitiba) e Adriane Sampaio Torres (gestora de Pós-Graduação Presencial da Opet).

3 motivos para fazer um mestrado no lugar do MBA

Na dúvida sobre qual é o melhor diploma de pós-graduação para você? Veja algumas vantagens do mestrado sobre o MBA que você deve colocar na conta.

logo-exame

Está na dúvida entre investir em um diploma de MBA ou mergulhar em um mestrado? É preciso deixar claro, em primeiro lugar, que as duas modalidades de pós-graduação podem ser bem-vindas para a sua carreira — tudo depende das suas necessidades.

Antes de explicar as diferenças entre as duas opções, o presidente da consultoria Produtive, Rafael Souto, lembra que MBA tem status de mestrado no exterior. A sigla, afinal, quer dizer Master of Business Administration, expressão em que “master” significa “mestre”.

No Brasil, alguns cursos de MBA são regulamentados e reconhecidos como mestrados profissionais pelo MEC, mas são minoria. Em grande parte, diz Souto, trata-se apenas de um “nome bonito” para uma especialização lato sensu, e não um programa stricto sensu, como mestrado e doutorado.

Mesmo nesse caso, porém, o MBA pode ser uma ótima pedida. “É um curso feito sob medida para o executivo, já que os horários das aulas são mais adaptáveis à agenda de quem trabalha o dia inteiro, e a carga de estudo não é tão pesada quanto a do mestrado”, explica o presidente da Produtive.

networking oferecido por esse tipo de curso também pode ser mais vantajoso a depender dos seus objetivos. “No MBA você conhece pessoas do seu mercado, talvez até um futuro sócio”, diz o coach João Luiz Pasqual. “A vivência da pós-graduação stricto sensu também enriquece a sua rede de contatos, mas é provável que você conheça pessoas com mais foco no mundo acadêmico”.

Dito isso, um diploma de mestrado também tem diferenciais consideráveis. Confira a seguir os mais importantes, segundo os especialistas consultados:

1. É um diploma que traz “autoridade” na sua profissão

O rigor no processo seletivo, a profundidade das aulas e a intensa carga de estudos conferem grande respeitabilidade ao profissional com mestrado. “Passar por tudo isso dá uma consistência curricular que só o doutorado é capaz de desbancar”, explica Pasqual.

Claro que o MBA também pode conferir autoridade em diversos temas do universo corporativo, com destaque para gestão. Ainda assim, Pasqual conhece muitos profissionais que já têm MBA e estão correndo atrás de diplomas de mestrado ou até doutorado para deixar o currículo mais robusto.

Isso vem na esteira de uma maior aproximação entre o mundo acadêmico e o mercado, tradicionalmente bem separados. Segundo o coach, a ideia de que o pensamento cultivado na universidade é “teórico demais” está ultrapassada há pelo menos uma década.

“As empresas perceberam que quem tem conhecimentos mais profundos, trazidos pela academia, pode contribuir muito para os negócios”, afirma ele. Quem tem mestrado é visto como alguém com autoridade para falar sobre a própria área e contribuir com ideias relevantes para a empresa.

2. O título abre outras portas de trabalho

O diploma de mestre é exigido pela maioria das faculdades e universidades na hora de contratar um professor. Se você só tem um título lato sensu, como o MBA, dificilmente será escolhido para ocupar uma cadeira de docência.

De acordo com Pasqual, essa diferença pode ser decisiva se você considera dar aulas como uma alternativa de carreira. Essa opção é cada vez mais comum, já que cada vez mais universidades brasileiras estão abrindo espaço para professores com um pé no mundo corporativo.

Por outro lado, esse aspecto também pode ajudar a definir a sua preferência por um diploma mais voltado ao universo das empresas. “Caso você tenha certeza de que não quer a docência nem agora e nem no futuro, talvez seja melhor fazer um MBA no lugar do mestrado”, diz Souto.

3. O impacto sobre o salário é maior que o do MBA

Diplomas de pós-graduação lato sensu — caso da maioria dos programas de MBA disponíveis no mercado — são relativamente comuns. Segundo uma pesquisa da consultoria Produtive, 68% dos executivos brasileiros já têm um ou mais certificados desse tipo.

Já os que têm mestrado ou doutorado são apenas 9%, e essa raridade confere um status diferente ao profissional que detém o título stricto sensu.

Segundo o mesmo estudo, o salário médio dos executivos entrevistados é de 9,3 mil reais quando eles têm uma única pós-graduação lato sensu; 12,8 mil reais quando têm mais de uma pós-graduação desse tipo; e 13,8 mil reais quando o título é de mestrado ou doutorado.

Embora os valores se refiram ao mercado em 2014, Souto afirma que a tendência se mantém em 2017. “As empresas gostam de quem tem a profundidade acadêmica, e isso se reflete na remuneração”, explica.

Em tempo: tanto no caso do mestrado quanto no do MBA, o impacto salarial não costuma ser imediato. De acordo com Souto, é preciso entender que qualquer um dos cursos simplesmente ampliará sua “musculatura” profissional. Só depois de usá-la muito no cotidiano, a médio ou longo prazo, essa nova habilitação trará retornos para o seu bolso.